quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Mochilão - La Paz - Bolívia

Chegamos em La Paz dia 02 de Janeiro e não acreditamos quando o taxista nos disse que era F-E-R-I-A-D-O!!! Depois dizem que brasileiro que gosta de um feriado!!! O taxista no explicou que quando o dia 01/01 cai em um domingo, o dia 02/01 é sempre feriado...
Fomos para os hostals que o Guia Criativo para O Viajante Independente na América do Sul indicava, mas estavam todos lotados, então ficamos no Hotel Condeza por indicação do taxista.
Depois de deixar nossas coisas no hotel, saímos para conhecer a cidade e só de ver a ladeira que teríamos que subir depois, deu uma tristeza!!! rsrsrsrs
No hotel pegamos um mapa da cidade e fomos atrás de um InfoTur (Av. Mariscal Santa Cruz esq. C. Colombia) para sabermos o que a cidade oferecia. Uma das principais avenidas estava praticamente deserta e bem diferente do que nos falavam que seria...muitas buzinas e um trânsito doido...
No InfoTur encontramos uma família de brasileiros que logo nos reconheceu pela camiseta do Brasil que o Daniel estava usando. Enquanto os pais pediam informação, ficamos trocando uma idéia com as crianças que eram tão viajadas quanto nós. Super inteligentes e desinibidos, eles contaram que sempre viajavam em uma van para todos os lugares, inclusive La Paz, e no final da conversa já estavam até querendo viajar com a gente.

Pegamos mais alguns mapas e informações de restaurantes (eram 10h e já estávamos morrendo de fome ainda mais depois de 3 dias no Salar comendo comida do Marin na carroceria da Toyota...hehe). Saimos pela avenida atrás de algum lugar para almoçarmos e decidimos pegar um táxi e ir no restaurante Art-Café la Comedie (indicação do guia) mas foi uma comédia mesmo! Chegamos lá e eles estavam de férias coletivas e na volta da viagem, dia 14/01, quando passamos por La Paz, tentamos ir novamente a esse restaurante e a primeira dificuldade foi que o taxista não sabia onde era!!! Ficamos rodando por uma meia hora e quando estávamos desistindo...o taxista achou e...adivinhem!!! Estava fechado!!! Encontramos o chef e perguntamos se não servia almoço e ele disse que sábado e domingo só abria depois das 17h!!! Moral da história: terminamos a viagem sem conhecer um dos melhores restaurantes de La Paz (segundo o guia).
Voltamos para o centro e almoçamos no Brosso (Av. 16 de Julho, 1473). Como não tínhamos ideia do que eram aquelas comidas, resolvemos pedir um prato para nós quatro e esperar o que viria. Pedimos um Pique Macho, um prato de carne picada com salsicha, cebola, tomate, batatas cozidas e um negócio verde que pensávamos ser pimentão mas depois de queimar a língua de todo mundo, descobrimos ser locoto, uma pimenta tipicamente boliviana.
Começamos a andar a procura de uma agência para fazermos os passeios, então descobrimos a C. Sagárnaga onde apesar do feriado, haviam bastante lojas e agências abertas.
Fizemos algumas pesquisas e acabamos fechando o passeio de Down Hill Coroico (350 Bs. + 25 Bs. de ingresso em Coroico) e Chacaltaya + Valle de la Luna (70 Bs. + 30 Bs. de ingressos) com a Budget Platinum Tours & Expeditions. Trocamos mais alguns dólares a 6,90 Bs, na rua mesmo com uma cambista pois os bancos e as casas de câmbio estavam fechados.
Com dinheiro na mão, fomos de táxi (15 Bs.) ao Mirador Killi-Killi, lugar de onde podemos ter uma vista de boa parte da cidade de La Paz e também ver o Estadium Hernando Siles. Na volta, paramos na Plaza Murillo, a mais importante da cidade, para tirarmos algumas fotos. Caminhamos pelo calçadão da C. Murillo, local que concentra o maior número de lojas e vendedores ambulantes, até o Burguer King na Av. 16 de Julho onde comemos e voltamos para o hotel.
No dia 03/01 saímos às 7h30 do hotel, depois de tomarmos café da manhã, para o passeio de bike até Coroico pela estrada conhecida como "a mais perigosa do mundo". A operadora Chacaltaya Tours nos buscou no hotel, de van, e até nosso ponto de partida do passeio, levamos 1h30. Durante o percurso tivemos que preencher um termo de responsabilidade caso caíssemos precipício abaixo.
Nos equipamos com capacete (muita atenção para esse item, pois com a gente haviam duas brasileiras que pagaram mais barato pelo passeio, só que o capacete só cobria a cabeça e o nosso protegia o queixo também), cotoveleiras, joelheiras, calça e casaco e por último um colete que identificava os grupos. O valor do passeio varia conforme o tipo de bicicleta que você escolhe (dupla suspensão, freio hidráulico e freio mecânico).
O passeio começa em La Cumbre a 4.700 m.a.n.m em estrada pavimentada e termina em Yolosa a 1.200 m.a.n.m, durando mais ou menos quatro horas de pura descida no decorrer de aproximadamente 63km, sendo que a maior parte do percurso é feita em estrada não pavimentada.
No passeio vai um guia de bike na frente e outro atrás, ambos fotografando vários momentos (no passeio é incluso CD com as fotos e camista), e também a van vai acompanhando, caso alguém passe mal ou não queira mais ir de bike. Durante o percurso paramos várias vezes para um lanche, dado pela agência, e, para comprar o ingresso.
Vimos algumas cachoeiras, paredões de pedra (esse inclusive, trompei de frente, sem contar a primeira queda, que cai de boca, por isso a importância do capacete...hehe), neblina e nuvens.
O fim do percurso de bike se deu às 13h30 e fomos almoçar em um lugar com piscina e ducha.
Retornamos de van às 15h10 pela nova estrada, toda pavimentada e só de subida e às 18h30  chegamos em La Paz. Tomamos banho e fomos para o Hard Rock Café a convite das brasileiras que fizeram o passeio com a gente. Lá encontramos mais alguns brasileiros e juntamos todas as mesas.
No dia 04/01, tomamos café e às 8h30 a agência passou no hotel para nos buscar. Nosso guia foi o Gabriel e às 11h chegamos em Chacaltaya, depois de subir a montanha com o micro ônibus, o acesso é por uma estrada estreita e bem íngreme.
Chacaltaya é um pico da Cordilheira dos Andes e possui 5.300 m de altitude. Está a cerca de 30 km da cidade de La Paz e muito próximo a Huayna Potosí. Apesar de estarmos no verão, seu pico está sempre coberto por neve. Na subida da montanha, foram apenas o Daniel e a Keila, pois devido à altitude, eu e o Gilvan ficamos na cabana. A duração foi de 1h30 até retornarem e partirmos para o Valle de la Luna, no sul de La Paz.
O passeio se trata de um sitio arqueológico que tem o nome devido as formações rochosas parecerem o solo da lua. A duração é de 1h e só compensou por estar incluso no passeio de Chacaltaya, caso contrário, não vale a pena.
Retornamos para o hotel pegarmos nossas mochilas e fomos para a agência, pois lá compramos a ida para Copacabana (35 Bs. cada), juntamente com os passeios.
Partimos às 16h30, de van para Copacabana, mas além de ser mais caro, é desconfortável e tivemos que esperar a van encher para depois pegarmos a estrada.
Em um trecho da viagem, a beira do Lago Titicaca, descemos da van e atravessamos de balsa até o outro lado e então mais 1h até a cidade de Copacabana.


Veja as fotos aqui!

Conheça a cidade de Copacabana e Puno...


Guadalupe e Daniel

3 comentários:

  1. Fantástico! Estou indo nesse natal para Bolívia, seus textos ajudaram muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ficamos feliz quando nossas postagens ajudam os viajantes! Volte sempre e qdo voltar da sua viagem, deixe aqui seu comentário dizendo como foi! =)

      Excluir
    2. Ficamos feliz quando nossas postagens ajudam os viajantes! Volte sempre e qdo voltar da sua viagem, deixe aqui seu comentário dizendo como foi! =)

      Excluir