terça-feira, 31 de maio de 2011

Trem do Pantanal

Dessa vez nossa viagem teve duração de 2 dias e pode ser chamada mais de um passeio...passeio do Trem do Pantanal!
Saímos da estação ferroviária de Campo Grande às 7h30 e desse vez quase que a "locomotiva" perde o trem...rsrsrs...o Gilvan chegou no último minuto quando já estávamos todos acomodados conforme a numeração de cada um no bilhete de embarque. O trem faz um percurso de 220 km até Miranda-MS.


Os horários de saída do trem são:
Sábado: Campo Grande -> Miranda
Saída de Campo Grande - 7h30
Chegada em Aquidauana - 12h30
Saída de Aquidauana - 15h
Chegada em Miranda - 18h

Domingo: Miranda -> Campo Grande
Saída de Miranda - 8h30
Chegada em Aquidauana - 11h30
Saída de Aquidauana - 14h
Chegada em Campo Grande - 19h15

Os valores são:
Campo Grande -> Aquidauana
Criança: R$ 28,60
Adulto: R$ 61,00

Aquidauana -> Miranda
Criança: R$ 19,80
Adulto: R$ 39,00

Campo Grande -> Miranda
Criança: R$ 37,40
Adulto: R$ 77,00

Durante a viagem vai um guia "bombril", ele mostra os atrativos, conta histórias, explica o significado do nome dos lugares, faz o serviço de bordo, vende camisetas e chapéus do trem e ainda é DJ!!! Só faltou ser o maquinista...ahshuasuha
O Noredim, nosso guia, logo no início da viagem serve um kit lanche composto por: um mini-bolo, um pacotinho de bolacha de água e sal, uma barrinha de cereal, um pacotinho de amendoim salgado acompanhado de água ou refrigerante e uma sacolinha de plástico, só não sei se é para depositar o lixo ou para ser usada em caso de enjôo =X
Vagão Bar
Além do vagão turístico, o trem possui um vagão bar, onde vende-se café, salgadinhos, bala, água, refrigerante, cerveja e 'rola' música ao vivo (de excelente qualidade). O músico também é "mil e uma utilidades", além de cantar e tocar, é DJ do vagão bar e ainda anima a galera fazendo várias apresentações, fantasiado. O personagem Zé Cateto faz paródias com músicas atuais utilizando os bichos e a natureza do Pantanal como tema, inclusive nas piadas.
O trem alcança a velocidade de até 32km/h. A primeira parada, de 15 min, é ná estação de Piraputanga, onde vimos apenas alguns artesanatos para comprar e aproveitamos para tirar algumas fotos.
A parada pro almoço é feita em Aquidauana onde na própria estação há um restaurante, mas também, há outras opções na cidade.
Após sairmos de Aquidauana, há uma parada na estação de Taunay, também de 15 min e o atrativo é o artesanato dos índios Terena.
Depois só paramos no nosso destino, Miranda, do qual a Lucilene do Pantanal Hotel, estava nos aguardando. Precisamos fazer três viagens para levar toda a galera ao hotel. Estávamos em 13 pessoas (eu, Daniel, Judite, Adeni, Aline, Isis, Gilvan, Eli, Nicole, Neide, Ana, Carol e Claudio).
Logo depois de nos acomodarmos, saímos para comer algo na Afonso Pena, que segundo a Lucilene, tem o melhor lanche da cidade, que vai até gente de Aquidauana para comer! Ela também deu a sugestão do restaurante Zero Hora, mais próximo do hotel e bom para tirar foto, mas é claro que não perderíamos a chance de comer o melhor lanche da cidade e ainda na Afonso Pena! hehe
O hotel, tem disponível: duas piscinas, uma mesa de sinuca e uma de ping-pong.
No domingo, pulamos todos cedo da cama, afinal, o trem partiria às 8h e o café da manhã começa a ser servido às 6h...
Na estação, todos prontos...
Zé Cateto animando o vagão turístico
"Eu vou andar trem,
Você vai também
Só falta comprar a
Passagem do velho trem
Passagem do velho trem
PAROU!
PAROU!
MÃOZINHA PRÁ FRENTE
MÃOZINHA PRÁ FRENTE
e tchu tchu tcha
e tchu tchu tchá
e tchu tchu tchá
tchá tchá..."

Antes de voltar, o Daniel e o Gilvan ficaram 'zoando' dizendo que o trem voltaria de ré, e não é que é verdade!!! Ele apenas vira as poltronas para não voltarmos de costas, mas a locomotiva (que dessa vez não era o Gilvan...rsrs), que puxa o trem na ida, é desengatada em um trilho paralelo e deslocada para o outro lado, sendo rebocada ao invés de puxar o trem.
Meus Deus!!! Que complicação!!! Quem leu e não entendeu isso é melhor nem tentar entender!!!

Na volta chegando em Aquidauana, o Gilvan resolveu abandonar o trem e levou com ele, a Isis (mãe dele) e a Aline!!! Ainda vou contar pros seus filhos que você não aguentou um trenzinho a 32km/h!!! huahsuhaushauhusa
Alguns ainda tentaram acompanhá-lo mas eu e o Daniel fomos persistentes em convencer a galera a continuar a viagem que teve Imagem & Ação e até bingo pra animar o povo!!!
Aliás! A tripulação do Trem do Pantanal está de parabéns, pois foram empenhados em alegrar a todos mesmo quando já estávamos cansados, sempre inventando uma piada nova, um assunto ou brincadeira.
Às 19h15 desembarcamos na estação ferroviária de Campo Grande, encerrando assim nosso passeio do fim de semana no Trem do Pantanal.

Veja o vídeo:


Clique aqui para ver todas as fotos da viagem!

Abs,

Guadalupe e Daniel

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Bom Jardim – Nobres – MT

No 3º dia fomos rumo à Bom Jardim, distrito de Nobres. Saímos às 8h de Cuiabá. Optamos pela estrada que passa pelo Rio Manso, por ser melhor e de menor movimento. O caminho é o mesmo que sai para Chapada dos Guimarães, porém, após o posto policial na rotatória vira-se para a esquerda e segue a estrada.
Em um determinado ponto da estrada, há uma estrutura de madeira com várias placas, onde, à direita tem a Marina do Porto Manso, que paramos por 30min para conhecer e tirar algumas fotos. Logo depois voltamos à estrada e seguimos viagem. Passamos também por uma ponte próxima a uma hidrelétrica onde também paramos, por 10min aproveitando para tirar mais fotos. Logo após a ponte, é o fim do asfalto começando a estrada de chão que passa por várias bifurcações e placas indicando Bom Jardim. Nesse percurso gastamos 1 hora entre algumas entradas erradas do Paulo Ricardo... rsrs
A vila de Bom Jardim está começando agora seu desenvolvimento. Não há nenhum asfalto e a maior parte dos estabelecimentos se encontra na rua principal, logo que se entra na vila. Apesar de alguns atrativos possuírem placas, é necessário de guia ou mapa para chegar ao local.
Existe também um supermercado e dois postos de combustíveis a R$ 3,13 a gasolina. Lá não existem agências bancárias nem caixas eletrônicos, mas alguns estabelecimentos passam cartão.
Na rua principal de Bom Jardim fica a agência Rota das Águas, que agencia os passeios e com a qual também, fechamos nossa estadia. Lá podemos conhecer os pontos turísticos que a vila oferece.
Pontos Turísticos
 Eram mais ou menos 11h quando comentamos com a moça da agência, que estava nos atendendo, que ainda não havíamos almoçado e ela nos assustou dizendo:
– ”Vocês ainda não almoçaram?!”
– “Não!”
– “Ixi, acho que vocês não vão mais encontrar almoço!”
Translado da agência para os aps
Nessa hora olhamos perdidos um para o outro... rsrsrs...mas antes de nos desesperarmos, fomos para nossos apartamentos, guiados por uma funcionária da agência. Deixamos nossas malas e fomos em busca do tesouro perdido...um lugar para almoçar!!! Hehehe
Na busca por esse lugar, fomos conhecer o Estivado (um dos pontos turísticos de Bom Jardim), onde paga-se R$ 5,00 para entrar e mais R$ 10,00 para almoçar, mas o lugar não nos atraiu muito então fomos parar no Restaurante WF, comida caseira e bom atendimento.
Cachoeira da Serra Azul
Já tranqüilos, fomos atrás de umas das atrações mais indicadas durante o tempo que estávamos em Bom Jardim, a Cachoeira da Serra Azul.
Como não havíamos fechado com a agência, fomos acompanhando algumas placas e perguntando para quem encontrávamos no caminho, até que chegamos a uma porteira de onde estava saindo um carro com guia, que nos informou que tínhamos que ir até a sede da fazenda (a cachoeira fica em uma propriedade particular) pegar a chave do cadeado da porteira, os equipamentos (snooker e colete salva vida) e acertar o valor da entrada (conseguimos negociar e pagar R$ 35,00 cada).
Chegando à sede, encontramos um funcionário da fazenda saindo para acompanhar outro grupo que também havia ido sem guia. Aproveitamos e fomos junto com esse grupo, após acertarmos as entradas com o funcionário.
São 400 degraus para se chegar à cachoeira e apesar da subida e descida, a vista quando se chega, é incomparável!!! Um lugar de água bem azul, cristalina e tranqüila, parecendo cena do filme “A Lagoa Azul”!!!
As 17h30 voltamos pra vila, tomamos banho e fomos atrás de um restaurante para jantarmos. Encontramos o Mangueiral, o melhor lugar para se comer em Bom Jardim! Excelente atendimento e uma comida muito gostosa. Teve de suco de cenoura com limão a berrante! hehehe
Na volta para os apartamentos, passamos pela festa que estava “rolando” na cidade, com direito a muito rasqueado...eita povo animado!!!
Lagoa das Araras
Aquário Encantado
No dia seguinte, acordamos às 4h para ir até a Lagoa das Araras. Tínhamos um mapa em mãos e algumas lanternas. A lagoa também fica em uma propriedade particular, mas havíamos fechado tudo com a agência no dia anterior. O passeio à Lagoa das Araras geralmente acontece às 17h com o objetivo de vê-las chegando ao ninho, e às 5h é possível vê-las partindo.
Voltando das Araras, tomamos café da manhã (incluso no pacote da agência) e seguimos para flutuação no Aquário Encantado. Pagamos R$ 50,00 cada para a agência e fizemos um passeio de quase 2h. É um lugar tão lindo e com muitas características em comum com Bonito-MS. Com o colete salva vida e o snooker (incluso no valor do passeio) podemos ver diversos cardumes.
Apesar do lugar servir almoço, resolvemos voltar para Cuiabá, pela estrada que passa por Nobres para conhecermos. Não foi uma boa escolha, pois a estrada é cheia de trepidações e por esse motivo tivemos que andar a 20 km/h até sair no asfalto, na BR 163, que é bem mais movimentada e perigosa do que a estrada que passa pelo Rio Manso.

Paulo (amarelo), Keila (verde), Priscila, Daniel, Gilvan, Guadalupe, Fernanda e Aline
 
Já em Cuiabá, almoçamos todos no shopping e nos despedimos da turma de Rondonópolis que seguiu viagem. Já a turma de Campo Grande foi para a madrinha do Dani, onde tomamos banho e passamos para conhecer a igreja de Nossa Senhora de Guadalupe.
Logo depois entregamos o carro na locadora e fomos para o aeroporto, chegando a Campo Grande às 23h.

Guadalupe


terça-feira, 3 de maio de 2011

Chapada dos Guimarães – MT

Turma Campo Grande
Nossa aventura para os dias 21, 22, 23 e 24 de Abril estava só começando...
Chegamos em  Chapada dos Guimarães  seguindo apenas as placas que indicavam o caminho.
Já na cidade fomos à busca da casa que alugamos, Recanto Pepita da Serra. Uma excelente casa, com piscina, churrasqueira e uma área grande! Estávamos ansiosos para chegar antes do pessoal de Rondonópolis para darmos o primeiro pulo na piscina, desafio criado entre os dois grupos... hehe
Lá a Flavia e o Rodolfo (proprietários da casa) estavam nos aguardando para assinarmos o contrato e pegarmos a chave. Depois das formalidades feitas e combinado o horário da entrega da chave no outro dia, fomos desfrutar da casa...
Aline logo escolheu sua cama e aproveitou para “tirar” um cochilo. Gilvan foi relaxar na varanda. Eu e o Daniel não perdemos tempo em colocar a roupa de banho e... piscinaaa \o/ \o/
Turma Rondonópolis
O grupo de Roo nos ligou e quando achávamos que já estavam em Chapada, estavam era perdidos em Cuiabá!
Duas horas depois, nosso grupo de aventureiros estava completo e sabem o por que da demora?! Na hora que estávamos selecionando as fotos para postar aqui no blog, descobrimos que eles pararam em diversos pontos na estrada de Chapada, para tirarem fotos! E nós lá esperando!!! rsrsrs
Antes de buscarmos o guia para os passeios, paramos para almoçar uma comidinha caseira que pagamos apenas R$ 9,90 com direito à sorvete, de sobremesa (pago à parte).
Cachoeiras: 1-Marimbondo, 2-Geladeira, 3-Tartaruga e 4-Turma
Durante o planejamento da viagem entrei em contato com o guia Alexandre Ribeiro através do site (lá é possível achar diversos guias cadastrados e que falam vários idiomas).  Comunicamos-nos por e-mail passando informações do grupo e do que tínhamos interesse em ver e ele nos respondeu com um roteiro e valores.
Buscamos o guia na Praça Dom Wunibaldo e partimos para nosso primeiro dia de aventura...
- Cachoeira do Marimbondo:
entrada R$ 6,00;
- Cachoeira da Geladeira:
entrada R$ 7,00;
- Cachoeira da Tartaruga:
entrada free;
- Alto do Céu: entrada free. Íamos para ver o pôr do sol, mas como atrasamos para sair pros passeios, acabamos chegando lá a noite. A vista que se tem é da cidade de Cuiabá. Vale a pena conferir!
Foto tirada no Alto do Céu!
Voltamos para nossa casa em Chapada e enquanto uns tomavam banho no chuveiro, outros esperavam de molho na piscina... Todos cheirosos saímos para jantar. Na Praça Wunibaldo há vários restaurantes e barzinhos em volta, onde o pessoal se reúne a noite. Depois de procurarmos, jantamos na Toca da Onça (música ao vivo, com pratos custando em média R$ 40,00 para 2 pessoas).
1-Cachoeira do Pulo, 2-Prainha, 3-Andorinha e 4-Casa de Pedra
No segundo dia de aventura, acordamos às 7h, entregamos a chave da casa para a Flávia e fomos tomar café da manhã na única padaria aberta da cidade. Lá encontramos o guia e partimos para o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães (entrada free obrigatoriamente entre 8h30 as 10h e só permitida com um guia) onde fizemos a Trilha das Cachoeiras ( Pulo, Degraus, Prainha, Andorinhas, 7de Setembro) com duração de mais ou menos 5h.  A trilha em sua maior parte é plana, com declives de dificuldade leve para acesso às cachoeiras. Por último conhecemos a Casa de Pedra.
Dentro do Parque Nacional ainda tem a Cachoeira Independência (Interditada), e o Morro São Jerônimo, atrativos que ficaram para as próximas viagens.
Véu de Noiva
Saindo do Parque, fomos para o Véu de Noiva, cartão postal de Chapada. Fizemos uma caminhada até chegar à cachoeira de onde é possível se ver apenas de cima.
Nesse dia o almoço foi no Restaurante Morro dos Ventos que fica em um condomínio fechado e paga-se R$ 10,00 por carro para entrar. Além da deliciosa comida (em média R$ 40,00, ver cardápio), o restaurante possui um mirante de onde é possível ver o lindo pôr do só e tirar várias fotos!!!
Ainda queremos voltar para conhecer outros lugares, pois dois dias não foram suficientes para ver todas as belezas de Chapada dos Guimarães.

Morro dos Ventos
Contatos em Chapada:

- Recanto Pepita da Serra (Flávia)
Tel.:  (65) 9232-3636 / 9997-0177

- Guia (Alexandre Ribeiro)
Tel.:  (65) 8425-8971

A aventura continua no próximo post!
Guadalupe e Daniel