terça-feira, 25 de julho de 2017

Chapada dos Guimarães e Campo Verde - MT

Desde que nos mudamos pra Campo Verde - MT, surgiu a ideia de fazermos um passeio pelas belezas da região, compartilhamos a ideia com o Dani e a Lupe e começamos a discutir sobre datas. Até que um certo dia, oficializou a data, feriado de 14 de abril.
Saímos de Campo Verde em direção de Cuiabá - MT e Daniel e Guadalupe voaram  de Campo Grande - MS a Cuiabá. Nos encontramos no aeroporto e continuamos unidos na viagem.
Primeiro ponto de parada escolhido foi a Estancia Fênix, onde teríamos banho no rio paciência e almoço, mas estava fechado por conta do feriado.
Como o nome do blog diz “derepente1000coisas” surge um menino correndo atrás do carro com um cachorrinho dizendo: “Tio.. se quiser tomar banho no rio pode ir lá em casa” rsrsrsr, e assim fomos um rio calmo de águas transparentes, nos cobraram R$ 5,00 por pessoa. 

Saindo de lá tem a famosa parada pra fotinha no “Portão do Inferno”.


Portão do Inferno
Logo após o “Portão do Inferno” paramos na Casa do Mel onde se vende vários tipos de mel, possui almoço e tem acesso a Trilha do Mel. O passeio custa R$ 20 por pessoa para ter acesso à trilha e não precisa de guia, sendo 6 km (ida e volta) com bastante subida. De lá é possível ver a Rodovia que passa próximo ao “portão do inferno” e todo o penhasco. Não encaramos essa aventura.
Nosso almoço foi em um restaurante no centro de Chapada dos Guimarães-MT e depois uma volta na praça central da cidade.

Mirante do Centro Geodésico da América do Sul
Seguindo viagem para Campo Verde paramos no Mirante que é considerado o Centro Geodésico da América do Sul, ele distancia 1.600 km do Oceano Pacífico e do Oceano Atlântico, e tem uma vista de tirar o fôlego! Durante o dia é possível ver uma imensidão, inclusive Cuiabá, e a noite as milhares de estrelas aparecem para dar um charme ainda maior, é incrível!! Entrada Gratuita, fica 9 km do centro da cidade, na Rodovia Emanoel Pinheiro, trecho que liga Chapada à Campo Verde.



Paramos na Cachoeira da Martinha que fica a 30 km de Campo Verde o complexo possui três cachoeiras com volume d’água muito maior que as outras da região, é aberta ao publico e sua entrada é gratuita.
Cachoeira da Martinha
Finalizamos o dia com um jantar em casa.
Ponte de Pedra (vista de cima)
No outro dia a rota já estava traçada.., Iniciamos com um café da manhã reforçado e partimos para o circuito de cavernas Aroe Jari e Lagoa Azul. O conjunto natural se localiza em uma fazenda particular, é necessário o acompanhamento de guia, assim como o uso de perneiras e calçados fechados, é obrigatório. O circuito pode ser feito parte de trator e parte a pé, contratando o serviço no inicio do passeio. Optamos por ir a pé e voltar com o trator.
Primeira parada do passeio é na Ponte de Pedra, uma passagem que o vento esculpiu na pedra tendo uma vista linda de toda a paisagem.

Ponte de Pedra (vista de baixo)
Após entrar em área mata onde ameniza o calor e o sol forte chegamos a primeira caverna a Aroe Jari ("Morada das Almas"), uma gigantesca gruta de arenito (a maior do país) com 1,5 km de extensão, trechos submersos e muitas pinturas rupestres. Sua abertura principal soma impressionantes 10 metros de altura e 60 de largura. Uma outra entrada lateral também chama a atenção pela grandiosidade. É recomendado o uso de lanternas para poder explorar o ambiente interno da caverna.


No interior da caverna possui o salão do Chuveiro, um chuveiro natural de águas que brotam entre as pedras, de lá observaremos também o túnel por onde se estende a caverna, mas não poderemos entrar, pois não é aberto a visitação. Lá dentro não é possível enxergar sem o uso de lanterna. 

A outra entrada da Aroe Jari também é imensa e é possível entrar até certa parte o restante é coberto por água.  Na saída conhecemos a pedra do equilíbrio, que é conectada a sua base por apenas três pequenos pontos que foram esculpidos pelo tempo.

Na parte final, a caverna abriga ainda um lago - a Lagoa Azul. Apesar das águas cristalinas, é proibido mergulhar na linda piscina apenas apreciação do local.
A Lagoa possui uma saída onde suas águas também cristalinas correm pela mata.

Diego e Jéssica
Próxima parada é na Caverna Kiogo Brado, nome indígena que significa “morada dos pássaros”, é habitada  por aves predominantes no Cerrado. A caverna é formada por um único conduto arenoso, sendo percorrida por um curso d’água em toda a sua extensão. O conduto principal apresenta o teto elevado, e possui duas entradas localizadas nas extremidades opostas do conduto da caverna. O melhor de tudo é que se pode atravessá-la pois sua extensão é de apenas 273 metros, e a luz penetra pelas entradas e mantém a cavidade fracamente iluminada em toda sua extensão.


No final da caverna possui um grande salão com pedras gingantes.


Após mais uma caminhada e já chegamos no ponto de encontro de coleta do transporte. Durante a volta de trator temos a linda vista da chapada.
O percurso durou cerca de 4:30 horas, é cobrado R$65,00 da entrada por pessoa na trilha da caverna, R$ 50,00 do guia, a volta com o trator é R$15,00 (volta) e R$20,00 (ida e volta), o almoço servido em prato individual é R$ 25,00.
Finalizamos o dia com um belo jantar feito pelo Dani e a Lupe. 

No domingo tiramos o dia para descansar, conhecer a pequena cidade de Campo Verde e levar nossos queridos para Cuiabá para pegar o voo.
Jéssica, Guadalupe, Daniel e Diego

Vejam mais fotos dessa viagem clicando aqui!


Jéssika

Um comentário:

  1. Nossa que fotos lindas de lugares fantásticos!!! Da até vontade de viajar... sou fã de vcs... casal com rodinhas nos pés rs rs

    ResponderExcluir